Opinião: The Girl Who Circumnavigated Fairyland In A Ship Of Her Own Making, de Catherynne M. Valente

The Girl Who Circumnavigated Fairyland In A Ship Of Her Own Making
de Catherynne M. Valente
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 336
Editor: Constable and Robinson
Resumo:
September is a twelve-year-old girl, Somewhat Grown and Somewhat Heartless, and she longs for adventure. So when a Green Wind and a Leopard of Little Breezes invite her to Fairyland - well, of course, she accepts (mightn't you?). When she gets there, she finds a land in crisis - she soon discovers that she alone holds the key to restoring order.

Rating: 5/5

Comentário: 
Quando eu era mais nova, os livros que eu lia tinham a mesma apresentação que este. Imagens no início dos capítulos e títulos de capítulo que contam mas não contam o que vai acontecer, p.e. Capítulo I - A Fuga - Como finalmente encontrei a chave de casa para sair e jurei nunca mais voltar até ter fome. O próprio livro invoca-me estas memórias e Catherynne Valente apresenta-se como uma narradora participante que se mete com os leitores, como se estivesse na contar o conto oralmente e não a escrevê-lo.


As ilustrações são bonitas, apesar de por vezes me parecerem estranhas, mas isso deve-se ao facto desta Fairyland ser um pouco um País das Maravilhas, e as coisas nem sempre serem o que parecem. September, a nossa heroína de doze anos, é uma criança comum com uma existência abalada pelo súbito envio do pai para a guerra e pela requisição da mãe nas fábricas o que a deixa sozinha em casa sem muito para fazer além de lavar chávenas de chá, algo que odeia veementemente.
Mas surgindo a oportunidade de uma aventura, e nas palavras da narradora "quem resistiria a tal?", September abraça-a com todas as suas forças e parte para a fantástica Fairyland que não é, nem um pouco, como ela a imaginava. Com uma imaginação fantástica e criatura sarcásticas, irónicas e nunca antes vistas, Valente cria uma terra de fantasia que espelha os problemas e injustiças do nosso mundo na sua forma mais pura levando September numa viagem de crescimento e descoberta.
A nossa querida September é quase, quase uma adolescente típica que se acha dona de todo o saber mas que ainda tem um coração que se compadece, que se sente insegura e que sente a necessidade de ser amada. Claro que o objectivo da viagem é provar a September que ela é muito mais forte do que imagina e mostrar-lhe o quão pouco ela sabe, mas como pode vir a saber muito.
A escrita da autora remonta aos livros antigos de contos de fadas mas mantém uma linguagem actual e é por isso fácil de seguir. Existem alguns momentos cómicos e alguns momentos sérios, intercalados com frases filosóficas e momentos de aventura.
Feitas as contas é um livro infantil a puxar para o juvenil repleto de saudade e magia que vai encantar os fãs deste género literário. Saí daqui com selo de aprovação e recomendação para que o leiam.


  • Este livro faz parte de uma saga;
  • O segundo volume, editado em Outubro de 2012, tem como nome "The Girl Who Fell Beneath Fairyland And Led The Revels There";
  • Em 2011 foi publicada uma pequena prequela que pode ser lida aqui.

0 leitores reagiram:

Que pensam Encruzilhad@s?